6 dicas de postura e ajustes essenciais para o trabalho remoto

Esse post é uma parceria Remotar e Partiu Ser Nômade

Não é porque você trabalha remotamente que você vai vacilar com sua saúde

Quem nunca sonhou em trabalhar remotamente, ter liberdade de escolher o local do trabalho, não se importar se terá camisa passada para sair no dia seguinte para o trabalho? Antigamente este sonho só seria possível se a pessoa empreendesse. 

Mas o que devemos ficar atentos ao fazer um trabalho remoto é a nossa postura e as possíveis doenças ortopédicas que a falta de atenção ao local de trabalho pode nos causar.

Pensando nisso, a Partiu ser nômade, em parceria com a Remotar, foi em busca de soluções para vocês e entrevistamos a fisioterapeuta e Professora Doutora da Universidade Federal de São Paulo, Fernanda Cockell, que também é coordenadora do projeto “De Braços Dados” e responsável por cuidar da saúde de trabalhadores informais e servidores municipais.

Pequenas mudanças

Segundo a Dra. Fernanda, entre 10 a 62% de usuários de computadores podem apresentar alguma disfunção musculoesquelética e normalmente os membros superiores, pescoço, cabeça e coluna vertebral são os lugares mais acometidos. A dor cervical é a queixa predominante. 

“Muitas lesões poderiam ser evitadas se o ao sinal dos primeiros desconfortos fossem realizadas mudanças no ambiente de trabalho, eliminando a causa externa”, comenta a fisioterapeuta.

Pequenas mudanças ou hábitos, que vamos explicar adiante, evitariam alguns problemas ortopédicos. “O que acontece, infelizmente, é que os trabalhadores seguem trabalhando com dor e só conseguem compreender o que estava causando a lesão quando já há comprometimento da função ou estrutura corporal”, explica Dra. Fernanda.

Dica 1 – Observe-se

A primeira dica dada pela fisioterapeuta é pura observação: “O mais importante é sentir e perceber seu corpo, compreender se o ambiente está favorável para seu conforto e alternar sua postura sempre que possível durante o trabalho”.

Segundo ela, se conhecer e entender os seus limites é fundamental. Junto a isso ela recomenda dar pausas e manter atividade física regular. Mas, segundo ela, é preciso buscar melhorias no posto de trabalho, bem como organização do tempo. 

Dica 2 – Observe o seu local de trabalho

Sobre ter um ajuste de postura padrão, Dra. Fernanda comenta que, apesar de ser muito difundido uma “postura correta” como prescrições e orientações, nada adianta se não for feita uma compreensão do modo operatório que engloba o objetivo do trabalho, os meios necessários para realizar o trabalho, os resultados esperados e o nosso estado interno.

“Sabia que ao longo do dia de trabalho, seu corpo estará exposto a cargas mecânicas (espaços físicos, forças decorrentes dos objetos e meios utilizados nos processos de trabalho), fisiológicas (esforço repetitivo, posições incômodas, postura estática) e físicas (ruído, vibrações, umidade, temperatura, radiação, pressão atmosférica entre outras)? Que a postura adotada pode ser mais nociva dependendo do tipo de trabalho, demandas, da estabilidade ou velocidade da internet, clima organizacional ou relacionamento interpessoal?”, argumenta a fisioterapeuta.

Diante disso, a postura deve ser adequada, mas todos os outros fatores que interferem ao longo do dia também devem ser observados e adaptados. “Você precisa definir o local, a mesa, a cadeira, os ajustes de altura, espaços e uma boa iluminação. Caso contrário, seu corpo estará constantemente exposto a posturas nocivas, já que o ambiente não é favorável”.

Dica 3 –  Postura na cadeira

Dra. Fernanda orienta sentar sobre os ísquios e assim evitar a carga na coluna. A dica que ela dá é sentar sobre as palmas das mãos e buscar sentir dois pontos mais duros (que são os ísquios). Ao encontrá-los, deve-se colocar o peso sobre eles e evitar escorregar na cadeira. “Ao sentar sobre os ísquios, você transfere toda a carga do seu corpo para o quadril, protegendo a sua coluna”.

Outra dica fundamental é apoiar toda a coluna no encosto da cadeira. Se o profissional projeta o pescoço para a frente ou para baixo para conseguir ler, a postura é errada.

Além disso, os cotovelos devem estar entre 90 e 110 graus quando usar o teclado e o mouse. 

E para quem for menor que 1,75m é necessário apoio para os pés, evitando assim que as pernas fiquem comprimidas. 

Dica 4 – Altura do monitor ou notebook

Ela explica que o notebook ou monitor deve estar posicionado entre 45 a 70 centímetros do monitor.

“Regule sua altura, tenha o topo do monitor alinhado horizontalmente com os seus olhos. Observe para não inclinar a cabeça para baixo. No caso de notebook ou tablet é preciso adaptações caso seja utilizado por tempo prolongado”.

Dica 5 – Layout da mesa

Muito se fala sobre a cadeira a ser usada e os ajustes ao se sentar, mas Dra. Fernanda lembra que o layout da mesa e as suas dimensões devem ser adequadas ao processo de trabalho. Além disso, deve-se observar os equipamentos utilizados na tarefa e adaptá-los para o alcance do trabalhado. “Evite ficar rotacionando o corpo ou tendo que alcançar objetos o tempo todo”

Outra observação é o espaço para os membros inferiores. Ela lembra ainda que profissionais com estatura acima da média, a mesa deve atender as suas necessidades ou mesmo ter uma mesa com ajuste de altura. 

Outro ponto importante é sobre a borda da mesa. Segundo a Dra. Fernanda, elas devem ser arredondadas (ou boleadas). “Caso a borda da mesa não seja arredondada, faça uso de uma toalha sob o antebraço/punho. Isso diminuiu a compressão de músculos e vasos, evitando desconfortos como fraqueza das mãos, dor e formigamento.”

E, por fim, ela comenta que o revestimento da mesa deve ser claro e opaco para evitar que reflexos e ofuscamentos da iluminação ambiente. 

Dica 6 – Rotina

Sobre seguir um intervalo de tempo, Dra. Fernanda explica que é necessário alternar posturas para se restabelecer. “Se levante, beba água, espreguice, esfregue os olhos, olhe para o horizonte. São micro pausas necessárias para o seu corpo”

Ela diz que a cada 20 minutos é recomendável dar uma pausa, levantar e se esticar para relaxar os músculos das costas, ombros, pescoço, braços e mãos. 

Além disso, a visão também é comprometida. “É importante olhar para o horizonte e descansar a visão durante a jornada de trabalho e verificar com oftalmologista se há necessidade de óculos e se o mesmo está corretamente indicado para trabalho em terminal de computador, notebook ou tablet”, completa.

Encontramos a solução

E já que estamos falando em ajustes e boa postura, a Partiu ser nômade tem um suporte de notebook ideal para que você adeque a altura correta e evite lesões. 

É o Factor X, com 6 ajustes de altura, de alta qualidade e melhor: pode ser levado para qualquer lugar. Confira!

Partiu ser nômade

E se vocês estão em busca de boas adaptações para o seu ambiente de trabalho, a Partiu ser nômade tem diversas soluções e produtos que irão transformar o seu trabalho remoto.

Deixe o seu pensamento

Receba nossas novidades